A CIDADE
 História Barretense
 Curiosidades
 Onde Fica
 Clima em Barretos
 Bancos na Cidade
 Eventos
 Hospital de Câncer
 Pontos Turísticos
 Educação
 Datas Marcantes
 Encontre Sua Rua
 Aeroporto
 Nossa Água
 Estação Ferroviária
 Economia
 Câmara Municipal
 Festa Do Peão
 TV Barretos
SERVIÇOS
 Nota Fiscal Paulista
 Cotações e Leilões
Conta -  Energia Elétrica
 Dicionário Online
 Receita Federal
 DETRAN
 Sebrae
 Almanaque
 A História do Mundo
 Biblioteca Digital
 Atmosfera Feminina
 Saber Mulher
 IBGE Barretos
 Como funciona??
 Páginas Amarelas
 Correios
 Leis Brasileiras
 Sobre Computadores
 Cursos de Informática
 Matemática
 Wikipédia Enciclopéida
 Português
 Para Professores
 Bancos na Cidade
 Tempo em 10 dias
 Defesa Consumidor
 Treinam. p Empresas
 Antepassados
 Saúde.. e.. .Bem Estar
 Telefones Úteis
 Domínio Público
 Foi multado
 Teste seu Q.I.
 Enem
 Sua Pesquisa.com
DIVERSÃO
 Só Baladas
 Criançada Esperta
 MSN On-line
 Filmes
 Jogos
 Musculação
 Lazer
 Toques grátis celular
 Para Ler e Ouvir
 Árvore Genealógica
 Calcule o Churrasco
 Orçamento Caseiro
 Guia Rodoviário
 Músicas Online
 Adriano Moraes
AS ESTRADAS DE FERRO DE BARRETOS - FEPESA

A Estação Ferroviaria de Barretos atualmente desativada, passa por reformas gerais, com o intuito de transformá-la em um Centro Cultural, que promoverá também apoio social, cultural e educacional á população barretense pela administração do Prefeito Emanuel.

Em breve teremos aqui, fotos dessa nova fase da Antiga Estação Ferroviaria de Barretos -FEPASA

 

Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1909-1971)
FEPASA (1971-1998)
- BARRETOS

Fepasa Município de Barretos, SP
Linha-tronco – Km 452,930 (1958) SP-0995
Inauguração: 25.05.1909
Uso atual: fechada e sem trilhos
Data de construção do prédio atual: em 1910

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.

A ESTAÇÃO:

A estação de Barretos foi inaugurada em 1909, ainda na linha-tronco de bitola métrica da Paulista, que vinha então desde Rio Claro. Permaneceu como ponta de linha até 1926, quando a estação seguinte, Alberto Moreira, foi aberta. Em 1929, com a passagem da linha de 1,60 m, o prédio antigo foi substituído pelo atual. "Eu ia com meu pai para Barretos quase toda semana, para comprar boi para o frigorífico. Embarcávamos na Luz, lá pelas oito da noite, e chegávamos na manhã do dia seguinte a Barretos. Isto lá por volta de 1959, 60, quando eu tinha oito anos". (Alexandre Eder, junho de 1999). A estação serviu aos trens de passageiros até março de 1998, quando foram suprimidos pela Fepasa. Esses trens, para além de Barretos, foram suprimidos bem antes, entre 1978 e 1980. Em março de 2002, os trens passaram a correr por uma variante inaugurada a leste da cidade, por onde seguem diretamente de Colina para Colombia. A variante começa logo após o antigo pátio da estação de Frigorífico e termina na estação de Barretos-nova, que fica onde a variante encontra a linha antiga, que segue para Colombia. pouco antes da estação de Amoreira. A estação antiga ainda funcionou como tal até 2003, tendo duas ou três salas reservadas para funcionários responsáveis pelas manobras dos trens de carga. A linha velha foi arrancada apenas em 2004, depois do fechamento da estação e sua reforma, que a transformou em um centro de assistência para adolescentes carentes. Logo depois, entretanto, acabou com tudo e atualmente (agosto de 2007) mantém a antiga estação em obras: uma avenida já passa em volta dela, pronta recentemente. (Fontes: Alexandre Eder, 1999; Henrique Pedro Soares dos Santos; Rodrigo Cabredo, 2005; Leonardo Bloomfield; Filemon Peres; Paulo Cury; Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 1999

estação em 1918
A estação em 1918, então ponto terminal da linha, e com o prédio original.

estação 1953
Da plataforma da estação de Barretos, não visível na foto, sai o trem da Paulista para São Paulo em 23/02/1953.

estação 1985
Na plataforma da estação, em 1985, a G-12 cargueira da Fepasa.

1
Plataforma de Barretos em 1986.

estação 1999
Plataforma da estação em 29/12/1999.

1
Em 29/12/1999,a fachada da estação de Barretos.

1
Em 29/12/1999, outro aspecto da fachada da estação de Barretos.

estação 2001
Estação de Barretos, em 10/2001.

estação em 01/2007
A estação em 01/2007.



LINHA TRONCO - km 447,109 (1958)   SP-0836  
Inauguração: 01.07.1912
Uso atual:
demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c. 1929 (já demolido)  

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.   A ESTAÇÃO: A estação de Frigorífico foi aberta como um posto telegráfico em 1912 e foi transformada em estação em 10/3/1921. Da estação saía um ramal de bitola larga, pertencente ao Frigorífico Anglo, com 4 km divididos em sub-ramais para o transporte de gado e de carne. Este ramal deu o nome para a estação. Os trilhos desses desvios ainda existiam, em fins de 1999, em pequena parte de seu percurso, cobertos pelo mato. No dia das fotos ( 29/

Estação Frigorifico Anglo

 

Aqui, o frigorífico, em 1918: a legenda da foto dizia: "Frigorífico de Barretos, com ramal próprio que bifurca no km 323,837". Era a quilometragem da época, ainda começando em Rio Claro, bitola métrica ex-Rioclarense (Foto Filemon Peres).
/12/1999), somente sobravam a plataforma e as fundações da estação, já tomadas pelo mato. Ao lado, um trator recolhia entulho e tijolos deixados pela provável demolição recente de alguma casa remanescente da antiga vila. Em 2004, a variante construída fora de Barretos, em 2003, eliminando os trilhos da área urbana da cidade, começam pouco depois da estação de Frigorífico, sentido Colombia.
1
1
1
1918 - Em seu prédio original, o ainda posto telegráfico. Foto do Álbum dos 50 anos da Cia. Paulista, Museu de Jundiaí
1986 - A estação, já abandonada. Foto do relatório da Fepasa, 1986
Outra foto da estação em 1986. Relatório Fepasa, 1986
1
1
 
A plataforma e as fundações da estação, hoje, cobertas pelo mato em 29-12-1999.
A plataforma com as fundações cobertas pelo mato. Bem ao fundo está Barretos.
 


Ferroban (2002-2005)

1 BARRETOS-NOVA
Município de Barretos, SP
Variante de Barretos Km SP – 3013
Inauguração: 08.03.2002
Uso atual: abandonada com trilhos
Data de construção do prédio atual: 2002

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.

1
Estação de Barretos-nova em 03/2005, a que já nasceu abandonada. 

1
Estação de Barretos-nova, em 03/2005.

1
Estação de Barretos-nova, em 03/2005.

 

Copyright © Since JUN07 Novo Guia Barretos. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por R.Polastrini.