A CIDADE
 História Barretense
 Curiosidades
 Onde Fica
 Clima em Barretos
 Bancos na Cidade
 Eventos
 Hospital de Câncer
 Pontos Turísticos
 Educação
 Datas Marcantes
 Encontre Sua Rua
 Aeroporto
 Nossa Água
 Estação Ferroviária
 Economia
 Câmara Municipal
 Festa Do Peão
 TV Barretos
SERVIÇOS
 Nota Fiscal Paulista
 Cotações e Leilões
Conta -  Energia Elétrica
 Dicionário Online
 Receita Federal
 DETRAN
 Sebrae
 Almanaque
 A História do Mundo
 Biblioteca Digital
 Atmosfera Feminina
 Saber Mulher
 IBGE Barretos
 Como funciona??
 Páginas Amarelas
 Correios
 Leis Brasileiras
 Sobre Computadores
 Cursos de Informática
 Matemática
 Wikipédia Enciclopéida
 Português
 Para Professores
 Bancos na Cidade
 Tempo em 10 dias
 Defesa Consumidor
 Treinam. p Empresas
 Antepassados
 Saúde.. e.. .Bem Estar
 Telefones Úteis
 Domínio Público
 Foi multado
 Teste seu Q.I.
 Enem
 Sua Pesquisa.com
DIVERSÃO
 Só Baladas
 Criançada Esperta
 MSN On-line
 Filmes
 Jogos
 Musculação
 Lazer
 Toques grátis celular
 Para Ler e Ouvir
 Árvore Genealógica
 Calcule o Churrasco
 Orçamento Caseiro
 Guia Rodoviário
 Músicas Online
 Adriano Moraes
HISTÓRIA DA FESTA DO PEÃO DE BOIADEIRO DE BARRETOS

A história da criação da Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos começa com o nascimento do Clube na tarde do dia 15 de julho de 1955, num bar. Vários rapazes da sociedade barretense resolveram então, fundar uma agremiação, logo batizada de "Os Independentes", pois seus sócios deveriam ser solteiros e financeiramente auto-suficientes. A questão civil atualmente não é exigida, e os integrantes não são mais excluídos quando se casam, mas a auto-suficiência permanece nos estatutos. A Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos não nasceu de um simples capricho desse grupo de rapazes, mas sim como justa homenagem ao importante personagem da história econômica e cultural desta região, que é o Peão de Boiadeiro. A Festa tem no Rodeio sua principal e mais autêntica atração.

Mais da Festa ( Veja oque foi dito sobre a Festa de Barretos em uma tese de Doutorado)

Queima do Alho

A queima do alho é tradição na Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. Trata-se de um concurso culinário em que o vencedor é o cozinheiro que prepara a melhor refeição à moda dos tropeiros, no menor espaço de tempo. O prato é composto de arroz carreteiro, feijão gordo, paçoca de carne e churrasco. A comida é feita em fogão improvisado, bem próximo ao chão. O concurso é realizado sempre no segundo sábado da Festa, apenas para convidados e imprensa.


Catira

A catira faz parte do folclore da Festa. A primeira apresentação da dança, em Barretos, foi na década de 50, na praça Francisco Barreto. Tipicamente brasileira, a catira tem suas raízes em Goiás, norte de Minas e interior de São Paulo. A coreografia é executada em sua maioria por homens - lavradores, boiadeiros e comerciários e é formada por seis a dez componentes, mais uma dupla de violeiros, que tocam e cantam a moda. Durante a dança, os violeiros ficam frente a frente. Os demais participantes executam a coreografia em que realçam o bate-pé e o palmeado. O Clube possui o grupo de catira Os Independentes, composto por 8 catireiros.


Concurso do Berrante

O Berrante é um instrumento feito de chifre de boi e detalhes em couro. Utilizado pelos peões de boiadeiro. Ele emite sons agudos e graves, e cada toque é uma senha avisando a hora do almoço, o toque de recolher, toque de perigo e orienta o sinueiro (boi que comanda a boiada, boi experiente, esperto). Hoje, embora nem tanto utilizado para esta finalidade, o berrante ainda encanta os turistas e visitantes da festa. Conseguir tirar um belo som do berrante exige muita habilidade do berranteiro. Anualmente é realizado o Concurso do Berrante que elege e homenageia os melhores berranteiros do país. A exemplo da Queima do Alho o Concurso do Berrante é realizado sempre no segundo sábado da Festa, no Ponto de Pouso, que acontece junto com a Queima do Alho.


Violeira Rose Abrão

A Violeira surgiu há 19 anos como um incentivo aos violeiros anônimos que se apresentavam em diversos locais da Festa do Peão de Boiadeiro. Sensibilizados com o crescimento e aceitação da cultura popular, especificamente a "Caipira", Os Independentes resolveram criar um Festival de Moda de Viola com a finalidade de descobrir novos valores para este segmento musical. Como resultado do bom trabalho realizado a Violeira consegue hoje mobilizar compositores profissionais a participarem do evento. Segundo a opinião de grandes compositores como Tião Carreiro, João Pacífico e Lourival dos Santos, a Violeira é um festival de alto nível e vem melhorando a cada ano.


O Parque do Peão

Inaugurado em 1985, o Parque do Peão é um espaço único no Brasil. Um local especialmente concebido para abrigar a maior Festa de Rodeio do mundo, e que a cada ano ganha novas atrações.
Localização: Rodovia Brigadeiro Faria Lima, km 428
Área: 1,3 milhões de metros quadrados
Capacidade da arena: 35.000 pessoas sentadas
Projeto arena: Oscar Niemeyer
Estacionamento: 121.000 metros quadrados
Estacionamento de ônibus de turismo: capacidade para cerca de 1000 ônibus por dia
Camping: 21.000 metros quadrados
Ponto de Pouso: 1.500 metros quadrados instalados em uma reserva florestal de 24.200 metros quadrados
Rancho do Peãozinho: 30.000 metros quadrados de área útil
Berrantão: Pavilhão coberto de 1.800 metros quadrados
Banheiros: 330 fixos, sendo 10 para deficientes
Telefones públicos: Espalhados por todas as "ruas" do Parque
Atendimento médico: Unimed, com infra-estrutura para realizar até pequenas cirurgias.
Atendimento dentário: Uniodonto


Atrações do Parque do Peão

Estádio de Rodeio; projetado por Oscar Niemeyer, acomoda 35 mil pessoas sentadas. É o palco de realização dos circuitos de rodeios e do Barretos International Rodeo, além de abrigar os megas shows.
Ranchos Típicos; propriedades particulares instaladas dentro do Parque do Peão, apresentam projetos arquitetônicos originais e que reproduzem características de construções da região barretense. São utilizados durante o ano todo para vários tipos de eventos.
Ponto de Pouso (Queima do Alho); reproduz o ambiente usado pelos peões para o descanso e pernoite, com construções rústicas que recriam o clima sertanejo. No Ponto de Pouso da comitiva é servido o almoço, tendo como cardápio a Queima do Alho, culinária típica boiadeira cujo cardápio é constituído de feijão gordo, arroz carreteiro, paçoca de pilão e churrasco feito na chapa, além dos vários condimentos típicos, como o próprio alho.
Feira Comercial; local onde são instalados os estandes das empresas patrocinadoras e expositoras do evento. Ali acontecem de grandes a pequenos negócios, entre venda de produtos diretamente ao consumidor ou divulgação de marcas. Cada estande prepara suas próprias atrações, enriquecendo ainda mais o espetáculo para o público que circula pela feira.
Berrantão; único salão climatizado para realização de eventos de médio porte durante o ano e, especialmente na Festa, é utilizado para os bailes, shows folclóricos e apresentações artísticas variadas.
Palco da Esplanada; palco ao ar livre, montado para receber grandes shows e que desde o ano de 2002 ganhou maior infra-estrutura e novo local - ao lado do Rancho Memorial Os Independentes. Capacidade estimada para um público de 25 mil pessoas.
Rancho Memorial Os Independentes; construído em formato que homenageia a lona de um circo, em citação a primeira festa do peão realizada sob este tipo de lona, o prédio abriga o Museu em homenagem ao peão de boiadeiro de a sua história.


Rancho do Peãozinho

Especialmente desenvolvido para a garotada, o Rancho é uma atração a parte na Festa, que mostra a cultura e o folclore sertanejo em uma área de 30 mil m². Ali acontecem atividades diversas e especialmente voltadas às crianças, tais como: oficinas de arte com pintura, desenho, artesanato e teatro.
Dentro do Rancho do Peãozinho funciona também um projeto desenvolvido pela Unesp, onde os pequenos podem ver e tocar os animais da fazenda, como vaca, cavalo, pônei e carneiro, além de acompanhar toda a rotina. No ano de 2002 o Rancho do Peãozinho ganhou a atração de animais silvestres em habitat que simulam sua própria morada.
Completando a animação, a garotada participa de brincadeiras típicas da fazenda como a corrida da galinha e do leitão, montaria em carneiro, toca da coruja, passeios de pônei e a cavalo, além de gincanas com animais.
Cerca de 250 voluntários do grupo JOCUM - Jovens com uma missão, atuam no monitoramento das crianças. Um acampamento do Grupo de Escoteiros Os Independentes - com cerca de 250 integrantes - desenvolve diversas atividades como jogos, canções, exposições com diferentes tipos de fogueiras, mesas, toldos, mastros e comidas mateiras (massas recheadas, pão a caçador) preparadas pelos escoteiros.


Números Oficiais da Festa do Peão de 2005

Público..................:1 milhão e 200 mil visitas
Investimentos........:10 milhões de reais
Estacionamento......:100 mil carros nos 18 dias
Ônibus..................:1.642 nos 18 dias
Empregos..............:3,5 mil diretos e 12 mil indiretos


Origens do Rodeio

Depois de vencer a guerra contra o México no século XVII, os colonos norte-americanos acabaram adotando costumes de origem espanhola. As festas mexicanas e a doma foram o começo.Logo após veio o rodeio, originário das lidas das fazendas de gado no Centro-Oeste.
Em 1869, a cidade de Colorado sediou a primeira prova de montarias em sela, no Deer Trail. Ranchos e fazendas, em ambientes parecidos com filmes de faroeste, serviam de cenários para provas espontâneas. Comum a todos os vaqueiros tais " diversões" testavam habilidades típicas como o "bronc" que testa a montaria e o laço. Entre 1890 e 1910, o rodeio surgiu como entretenimento público, em vários eventos do Oeste, celebrações de julho e as convenções pecuárias.
O Rodeio foi reconhecido como um esporte competitivo durante as primeiras décadas do vigésimo século. Eventos anuais atraíram audiências regionais e concorrentes ao longo do Oeste. Em meados de 1920, campeonato em Boston e na Cidade de Nova Iorque estavam atraindo a atenção em um âmbito nacional para o novo esporte.

Os Promotores e os Tropeiros

O rodeio saltou de esporte de vaqueiro a entretenimento público por esforços de promotores. No espírito de empresários do Espetáculo do Oeste Selvagem estes homens viram a oportunidade de fazer do rodeio um grande evento americano.
Esta visão e a habilidade organizacional ajudaram a popularizar o rodeio, além das fronteiras americanas. Hoje, tais promotores individuais foram substituídos em grande parte por comitês locais de rodeio.
Uma parte integrante do rodeio do século vinte são os tropeiros. Eles trazem cavalos e touros que são essenciais ao esporte. Hoje, há quase cinqüenta tropeiros que provêem animais para os mais de 600 rodeios sancionados pela PRCA nos Estados Unidos a cada ano.


Modalidades do Rodeio no Brasil

Três Tambores
Com a participação apenas de mulheres, esta prova une habilidade e velocidade. Num percurso medido com exatidão três tambores são colocados numa distância mínima de quatro metros um do outro. As competidoras tem a tarefa de realizar o percurso contornando os tambores com precisão, numa seqüência estabelecida, e voltar em disparada para o local de onde saiu, brigando contra o cronômetro. A atleta parte em linha reta, contorna o primeiro tambor numa manobra de 360º graus, segue para os segundo e terceiro tambores e volta em disparada para a linha de partida. Derrubar o tambor implica em penalização de cinco segundos acrescidos ao tempo final. A competidora tem que estar em perfeita harmonia com seu cavalo para obter sucesso.


Laço em Dupla
Inspirado na lida das fazendas o Laço em Dupla compreende laçar um bezerro, de aproximadamente 200 quilos, no menor tempo possível. Cada laçador tem uma função definida. Enquanto o "cabeceiro" se preocupa em mirar seu laço nos chifres ou pescoço do animal, o "peseiro" cuida dos pés do bezerro, tendo a função de derruba-lo. Cordas enroladas no pito da sela, os competidores saem do boxe depois que o bezerro estourar a barreira. A conclusão da prova se dá quando o animal está completamente dominado e os dois laçadores esticam suas cordas.


Bulldogging

O Bulldogging foi introduzido no Brasil em 1988 pelos irmãos Guilherme e Henrique Prata e por Paulo José Manno, os primeiros brasileiros a praticar a modalidade em Presidente Prudente, no Estado de São Paulo. O Bulldogging é praticado por dois competidores que tem como objetivo virar e derrubar ao chão um garrote no menor espaço de tempo. Um cavaleiro cerca o animal enquanto o outro trata de agarrar seus chifres e derruba-lo à unha, literalmente. Quem fica à direita do animal faz o trabalho de esteira, cercando o boi e não deixando que ele se distancie muito. O outro cavaleiro posiciona-se do lado contrário, tendo a função de saltar do cavalo em movimento sobre o touro usando as mãos para agarrar os chifres do animal e derrubá-lo ao chão. Mais uma vez o que vale é o tempo mínimo em que tudo isso é feito, e o sincronismo entre os dois cavaleiros é essencial.


Laço do Bezerro
Outra modalidade que nasceu da lida com o gado nos ranchos foi. Quando o fazendeiro precisava marcar a bezerrada ou fazer curativos usava da habilidade do peão para "captura-los". Um laçador e seu cavalo, sincronizados e bem treinados, saem do box depois que o bezerro estoura a barreira. O competidor laça o animal em movimento, desce do cavalo, derruba o bezerro de aproximadamente 120 quilos e amarra três de suas quatro patas. Tudo isso é devidamente cronometrado, pois ganha quem realizar a tarefa completa em menor tempo. Para indicar o fim da laçada o cavaleiro, posicionado sobre o bezerro, levanta as duas mãos.


Bareback
Montaria em pêlo em cavalo originária dos Estados Unidos. Nela o competidor, na saída do brete, "marca o animal" posicionando as duas esporas, sem pontas, no pescoço do cavalo. Em seguida ele simultaneamente puxa as esporas, fazendo com que as pernas alcancem a alça do "bareback" (uma espécie de alça de couro sobre o cavalo posicionada na cernelha do animal). Esta alça é segurada com uma das mãos como ponto de apoio. A prova também tem oito segundos de montaria e neste tempo o competidor tem que ficar sobre o animal, esporeando-o, de maneira que elas corram livremente pelo pescoço do cavalo. A posição do competidor durante a montaria é quase horizontal.


Sela Americana
É o estilo de montaria em cavalos mais antigo do rodeio americano. É considerada a modalidade com o maior grau de dificuldade, pela habilidade técnica que exige do atleta. O equipamento consiste em uma sela sem pito e sem baixeiro (capa feita em tecido grosso, colocada entre a sela e o lombo do animal). Com a mão de apoio o competidor segura uma corda de aproximadamente 1,20 metros, que está ligada ao cabresto. A outra mão, chamada de "ponto de equilíbrio", não pode tocar em nenhuma parte do animal. No primeiro pulo o competidor posiciona as duas esporas, sem pontas, em sua paleta. No segundo pulo ele puxa as esporas, passa pela barriga e chega até o final da sela, na traseira do cavalo.


Cutiano
Estilo tipicamente brasileiro de realizar a montaria. Nesta modalidade o atleta fica sobre o cavalo por oito segundos, a contar da saída do brete. É caracterizado pela falta de apoio do competidor resistindo aos sacolejos dos pulos do animal com apenas o uso de uma das duas cordas, amarradas à peiteira do cavalo. Apesar de ser nacional o estilo cutiano de rodeio resiste ao tempo e é visto com muito respeito por atletas internacionais. Faz parte do equipamento um arreio (assento feito de couro), baixeiro, peiteira e rédeas com duas canas (tiras de corda que o atleta segura com uma das mãos). No primeiro pulo o competidor posiciona as esporas, sem pontas, no pescoço, acima da paleta do cavalo. A partir do segundo pulo, as esporas devem ser puxadas para trás.


Montaria em Touro
Introduzida nos rodeios brasileiros na década de 80 a montaria em touros é grande atração nas arenas do mundo. Na montaria em touros é usada a chamada corda americana com polacos (sinos). O atleta tem que, obrigatoriamente, usar luva de couro na mão que segura a corda e coletes de segurança, com uso opcional de capacetes, para evitar acidentes. A montaria em touros exige coragem, equilíbrio, flexibilidade, coordenação e reflexo. Nela o atleta só pode usar uma das mãos para manter-se em cima do animal, durante os oito segundos exigidos pelo regulamento. Se encostar a mão erguida (mão de equilíbrio) em qualquer parte do corpo ou do animal, a nota do competidor será zero. O equipamento consiste em uma corda - conhecida como corda americana (feita de nylon ou rami/fibra vegetal) - que é trançada manualmente e possui alça em que uma das mãos encontra apoio. Esta mesma mão é envolvida pela corda por sua extremidade mais fina, onde o competidor faz o ajuste para ter mais firmeza. O peso do animal pode ultrapassar aos 900 quilos.


Team Penning

Team Penning é modalidade western que mais cresce no Brasil. A prova é realizada em uma pista de tamanho variável e 3 cavaleiros. O trio deve apartar três bezerros, em um lote de 30, numerados de 0 a 9. estes três bezerros escolhidos pelo juiz, devem ser colocados em um curral localizado dentro da pista num tempo máximo de 2 minutos. Vence o trio que realizar a tarefa no menor tempo, pois necessita de táticas e combinações de apartar os bezerros entre o trio participante. As provas geralmente são composta por pai, mãe e filhos. É uma forma de reunir amigos e familiares.

 

Algumas Atrações que já passaram pelo Parque.


A festa é sucesso de público não só pelo clima sertanejo e ares que inspiram o cantinho da fazenda – um lado simples do interior -, mas também pelas atrações que vêm a Barretos mostrar porque tudo isso vale à pena. Confira a lista das principais bandas e artistas que passarão pelos palcos e arenas da Festa de Peão de Barretos e saiba um pouco mais sobre a história de cada uma.


Inimigos da HP


Inimigos da HP

Há cinco anos e meio, na capital paulista, nasceu o grupo Inimigos da HP. O nome vem de uma brincadeira um tanto quanto original. Durante a chamada carreira acadêmica, os oito músicos, sem exceção, fizeram uso de calculadoras da marca HP (Hewlett-Packard). Nas horas de descontração, deixavam as calculadoras de lado e se dedicavam ao samba, daí a escolha do nome que hoje é reconhecido nacionalmente.
Com grande qualidade de som e repertório contagiante, os Inimigos da HP vêm chegando de mansinho e conquistando um espaço diferenciado no mercado musical. Sebá (vocais), Bruno (cavaco), Léo (banjo), Alemão (surdo), Tocha (rebolo), Cebola (pandeiro), Gui (repique de mão) e Bonilha (percussão geral) estão fazendo a galera vibrar a cada show, com novas performances e muita energia.

Site Oficial: http://www.inimigosdahp.com.br

Jeito Moleque


Jeito Moleque

O nome do grupo não poderia ser mais adequado. Na base da farra, Bruno, Carlinhos, Alemão, Rafa e Felipe, cinco moleques de Santana, na zona norte paulistana, se reuniam após as partidas de futebol para tirar um som. A turma do bairro se juntava para dançar e os meninos logo começaram a ser chamados para tocar em festas de amigos. Baladeiros, não perdiam uma domingueira no Mistura Brasileira e no Pólo Norte – tradicionais redutos do samba e do pagode do bairro. De freqüentadores, passaram à atração principal das noitadas e caíram no gosto da galera.
Hoje, fazem parte de uma nova geração da música popular, e trazem como diferencial para seu grande talento, uma consistente formação musical e a imagem de meninos de classe média que motivam uma verdadeira legião de jovens fãs. Seus shows são uma mistura de vários elementos melódicos com um ritmo dançante e agitado bem ao gosto do público mais jovem, numa saudável combinação do pagode tradicional com as mais modernas tendências da música brasileira de sucesso.

Site Oficial: http://www.jeitomoleque.com.br

Zeca Pagodinho


Zeca Pagodinho

No Rio de Janeiro, o samba está em todos os lugares. Todo bairro tem um canto onde histórias mostram grandes sambistas que surgiram e ainda surgem de tempos em tempos para inovar o grupo. Como alguns rápidos exemplos: Vila Isabel lançou Noel Rosa e Martinho da Vila (que veio de Duas Barras, interior do estado), Elton Medeiros é originário da Glória, Cartola nasceu no Catete, se criou em Laranjeiras e se consagrou na Mangueira, Botafogo foi o primeiro endereço de Paulinho da Viola , Nelson Cavaquinho é nativo da Tijuca, Beth Carvalho veio para a Zona Sul depois do nascimento na Gamboa e Nei Lopes passou a infância em Irajá, mesmo bairro onde veio ao mundo um certo Jessé Gomes da Silva Filho – eis Zeca Pagodinho. Zeca representa o mais do mesmo, só que com um diferencial: seu estilo é inconfundivelmente típico de um boêmio, que rodeia um boteco sem demora e, além de grandes festas, realiza churrascos extraordinários, sempre com convidados ilustres, cercando-se de elogios impares por parte de grandes nomes da nossa cultura.

Site Oficial: http://www.zecapagodinho.com.br

Banda Calypso


1

O Pará lançou para o Brasil - e quem não sabe para o mundo - um dos últimos grandes fenômenos da música nacional. Com uma mistura de estilos (Folk, Rock, Lambada, Country, Jovem Guarda) e ritmos de raiz paraense, a dupla Joelma e Chimbinha cativa o público com a Banda Calypso, projeto que vem desde 1999 mostrando que a força de conquista está na espontaneidade dos recursos mais simples de um músico, seu amor pelo que faz e determinação para alçar seus sonhos. Em uma velocidade incrível, a banda atingiu o sucesso e tornou-se sucesso de venda e público.

Site Oficial: http://www.bandacalypso.com.br

Chiclete com Banana


1

A Banda surgiu com o nome Scorpius e começou a fazer sucesso nos trios elétricos de Salvador no início dos anos 80, inaugurando a formato que fecha uma das laterais do trio com caixas de som, aumentando significativamente a potência sonora. Quando resolveu gravar o primeiro disco, Traz os Montes, em 1982, o grupo adotou o nome Chiclete com Banana, inspirado no clássico homônimo de Gordurinha e Almira, popularizado por Jackson do Pandeiro, e que busca traduzir a mistura de sons que a banda se propõe a fazer. O primeiro sucesso foi Mistério de Estrelas, com o segundo disco, dois anos depois do primeiro. Passaram a freqüentar programas de televisão e ter suas músicas tocadas nas rádios de todo o país, principalmente na época do carnaval. Hoje em dia a banda, formada por Bell, Wadinho, Rey, Jonny, Walter Cruz e Deny, se apresenta durante o ano inteiro nos carnavais fora de época que acontecem pelo Brasil. Da parceria com o Bloco Camaleão surgiu outro bloco, o Nana Banana, um dos mais animados do carnaval baiano.

Site Oficial: http://www2.uol.com.br/chicletecombanana

Zezé Di Camargo & Luciano


Zezé Di Camargo e Luciano

A dupla Zezé Di Camargo & Luciano traz para suas apresentações o desejo de interação com o público, buscando sempre uma sintonia com os desejos e sonhos de seus fãs. A dupla nasceu de um grande sonho de Mirosmar José Di Camargo (Zezé Di Camargo), que queria ser cantor e, com isso, ter um reconhecimento por seu trabalho. Ao chegar a São Paulo, lutou com todas as forças, junto com sua mulher e suas filhas, para almejar seu sonho. Vendo a possibilidade de despontar para uma carreira de sucesso, Mirosmar convida seu irmão Welson (Luciano) para juntar-se a ele e correr atrás deste objetivo. O resultado todos conhecem.

Site Oficial: http://www.zezedicamargoeluciano.com.br/

Bruno & Marrone


Bruno e Marrone

Vinicius Félix de Miranda (Bruno), desde pequeno, demonstrava paixão por cavalos e fazendas. José Roberto Ferreira (Marrone) sempre gostou de passear a cavalo e de tomar banho de rio. Em comum, além da paixão pela natureza, a vontade de crescer como músicos famosos. Foi assim que surgiu a dupla Bruno & Marrone. Apresentado a Marrone pelo cantor Leonardo, Bruno decidiu apostar na carreira e, a partir de 1993, começaram a ter notoriedade em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e região; a partir de 2000 conseguiram atingir o público nacional e daí em diante foram coquistas, sucessos e muita alegria. Bruno & Marrone são, hoje, artitas de renome e grande prestígio nacional.

Site Oficial: http://brunoemarrone.uol.com.br

Fábio Jr.

Fábio Jr.

Este ícone do romantismo nacional teve uma vida normal antes de alcançar a fama. Filho de taxista com uma professora de piano, Fábio Jr. - Flávio Airosa Correia Galvão – começou trabalhando na banca de jornal de seu pai. Fazia a entrega a domicílio das revistas e jornais. (seu sonho, dizia, era ter seu rosto estampado nas capas das revistas que entregava). Fez ainda serviços em uma loja de departamentos e transporte escolar. Em diversas conversas com seu pai, acompanhado de seu violão, que era presente de seu pai, Fábio dizia que gostaria de ser um músico, pois sua paixão era cantar e encantar as pessoas com música. Daí foi um pulo para Fábio emplacar sucessos como Pai, Vinte e Poucos Anos, Quero Colo, Eu me Rendo e de figurar na TV em novelas como galã. Teve passagem em grandes canais televisivos – Record, SBT e TV  Cultura. Hoje segue como sempre, feliz e cantando com o coração. Também, sejamos justos, encantando corações.

Site Oficial: http://fabiojr.sili.com.br/

Jammil e Uma Noites


Jammil

O Jammil é uma banda. O Jammil é pop. É música baiana turbinada. Mistura de Ska, de Reggae, de Rock com Samba Reggae, Afro Music e atitude. É praia e viaduto. Os músicos Tuca Fernandes (guitarra e voz), Manno Góes (Baixista e vocal) e Roberto Espínola (guitarra e vocal) tocam juntos desde 94. Montaram uma banda pra tocar covers de Bob Marley, Ub 40, Tim Maia, Jorge Benjor e tudo que fazia a cabeça deles e curtiam tocar. Em 97, receberam um convite da EMI pra gravarem um disco. Se batizaram então como Jammil e Uma Noites, deixando pra trás um período de amadorismo cercado de expectativas com outro nome e começaram de fato uma carreira profissional. De lá pra cá gravaram dois discos pela EMI, dois pela Abril Music, um pela Atração e dois independentes. 

Site Oficial: http://www.jammileumanoites.com.br/

Teodoro & Sampaio


Teodoro e Sampaio

São 23 anos de carreia. E, em todos os CD, a dupla mostra mais harmonia com o público e o sucesso. Aldair Teodoro da Silva (Teodoro) e Alcino Alves de Freitas (Sampaio) transformaram ao longo desses anos o nome Teodoro & Sampaio em sinônimo de sucesso, tanto no Brasil quanto no exterior. Apesar de todos esses anos a dupla conseguiu se manter, adaptando-se as mudanças e inovando sempre de acordo com as exigências do mercado atual. Com esse estilo ímpar conseguiram inovar a cada turnê, contribuindo diretamente para a cultura e atribuindo valores a coisas esquecidas pela evolução desenfreada.

Site Oficial: http://www.teodoroesampaio.com.br/

Edson & Hudson


1

Há vinte e sete anos, ainda muito jovens, Edson e Hudson começaram a cantar em praças públicas, bares, rodeios, bailes, etc, mostrando desde crianças o talento que corre em suas veias. Filhos de família circense, desde a infância Edson e Hudson não se deixaram intimidar pela vida sofrida e muito difícil. O circo trouxe inúmeras experiências boas, fortalecendo ainda mais a união dos irmãos, que precisavam superar todas as dificuldades para mostrar o potencial de suas vozes afinadas, suaves e tão harmoniosas que parecem se fundirem em uma só, agradando homens e mulheres de todas as idades, que se encantam com suas músicas. Persistindo no sonho de fazer sucesso a dupla gravou o primeiro disco no ano de 1995. Já no ano de 2002, com um resultado surpreendente de vendas e execução em todas as rádios do país, gravaram o quarto CD Edson e Hudson - Acústico - Ao Vivo, da gravadora Abril Music. Edson e Hudson têm todos os motivos para comemorar o caminho de vitórias, tendo a música conhecida em todo o Brasil e conquistando a admiração do público.

Site Oficial: http://www.edsonehudson.com.br/

César & Paulinho


1

A dupla sertaneja Cezar & Paulinho, conhecida pelo grande público sertanejo, faz um paralelo com a história das raízes caipira. São quase 30 anos de carreira, sucessos emplacados e muita coisa para contar. Dentre os hits encontra-se Pé de Cabra, com o famosos refrão:  puta que pariu pisa no freio Zé...

 

 

Gino & Geno


1

Quando Gino & Genoiniciaram a sua carreira fonográfica, em 1970, maravilhas do mundo contemporâneo como CD, internet e feiras de peão de proporções gigantescas nem sequer eram cogitadas. Em três décadas e meia de atividade, essa dupla oriunda de Minas Gerais encarou todos os desafios possíveis, superando-os graças a muita garra e talento. Nos últimos quatro anos, vivenciaram um expressivo crescimento do interesse por seu trabalho nos grandes centros urbanos

Site Oficial: http://www.ginoegeno.com.br

Guto & Nando


1

Talento, carisma e simpatia; essas são as características principais da dupla Guto & Nando. Os irmãos Pedro Augusto Barbosa e Fernando Barbosa nasceram em Poços de Caldas e desde criança tinham um sonho: a música. Juntos, formaram a dupla sertaneja Guto & Nando, que demonstram a cada apresentação um verdadeiro show de afinação com um repertório que viaja entre o sertanejo raiz, romântico e country, tudo aliado a uma excelente performance, que torna o show de Guto Nando sempre um grande evento. Guto & Nando tocavam e cantavam em casas norturnas, quando conheceram o jogador Vampeta, que gostou muito do trabalho e resolveu empresariar a dupla. Em 2000 lançaram o primeiro CD, independente. A partir daí o sucesso veio para ficar e, hoje, a dupla sabe que estar bem é trabalho e, acima de tudo, acreditar em seu trabalho, como um sonho bom.

Site Oficial: http://www.gutoenando.com.br/

Alcione


1

Alcione Nazaré nasceu em São Luís, MA, em 21 de novembro de 1947. O pai, João Carlos Dias Nazareth, foi mestre de banda da Polícia Militar de São Luís do Maranhão e professor de música. Foi ele quem lhe ensinou, ainda cedo, a tocar diversos instrumentos de sopro, como o clarinete, que começou a estudar aos 13 anos. Com essa idade, tocava e cantava em festas de amigos e familiares. Sua primeira apresentação foi aos 12 anos, na Orquestra Jazz Guarani, da qual seu pai era integrante. Certa noite, o crooner da orquestra ficou rouco, sendo substituído pela menina, que, mais tarde, ficou conhecida como Marrom. Na ocasião cantou com sucesso a música Palma branca e o fado Ai, Mouraria. O pulo para o sucesso foi no tempo certo. Cresceu como mulher e como cantora, fazendo assim um link entre suas qualidades pessoais e os atributos profissionais. Do resto sabemos bem. Sua voz é única e seu jeito é, sem dúvida, algo marcante na MPB.

Site Oficial: http://www.alcioneamarrom.com.br/umanovapaixao/

 

Calcinha Preta

1

Em meados da década de 90, o forró ganhou uma nova roupagem. O ritmo tornou-se mais acelerado, arranjos ganharam mais instrumentação, temas modernos inspiraram novos estilos de canções, e o palco passou a ser cenário de grandes espetáculos de decorações inovadoras, coreografias de dançarinos e efeitos especiais em luzes e sons. Surge então a era da revolução da música nordestina, e no contexto, Calcinha Preta surge com seu primeiro CD: A Banda Mais Gostosa do Brasil, vendendo de imediato mais de 100 mil cópias, e atraindo milhares de fãs em todo o Brasil. A partir daí estava anunciado o sucesso absoluto.
Site Oficial: http://www.bandacalcinhapreta.com.br/

 

Copyright © Since JUN07 Novo Guia Barretos. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por R.Polastrini.